Panqueca de Brigadeiro

Panqueca de Brigadeiro

Sexta-feira passada eu fiz essa panqueca de brigadeiro e postei no @oquetemdesobremesa. É uma receita super simples, mas como algumas pessoas pediram a receita, vou ensinar. Fiz pro jantar, salgada mesmo, mas como eu ponho pouco sal em tudo achei que daria pra guardar duas pra sobremesa. Fazia tempo que eu queria fazer brigadeiro, mas morria de preguiça por causa do calor. Como já ia ter que ficar um tempo na frente do fogão por casa da panqueca mesmo, resolvi fazer logo os dois!

panqueca

Vamos começar pela panqueca.

Ingredientes:
1 ovo
1 pitada de sal
1 xícara de leite
1 xícara de farinha de trigo

Modo de preparo:
Bata o ovo, o sal e o leite no liquidificador. Acrescente a farinha e bata de novo até ficar bem misturado.
Aqueça uma frigideira, eu uso de teflon e passo um pouco de margarina. Faço em fogo baixo porque sempre tenho medo de queimar tudo.
Com a medida de uma concha coloque a massa no meio da frigideira e vá girando pra escorrer pros lados.
Quando a massa já não estiver parecendo crua tente levantar. Se não soltar fácil espere. Quando soltar bem fácil pode virar. Quando estiver douradinha pode tirar.
Eu empilho em um prato e depois recheio. Ou vou comendo com manteiga e no final não tem quase nada.
Rende entre 6 a 8 panquecas, depende do tamanho da sua frigideira e da sua concha…

Agora a minha receita preferida no mundo, o Brigadeiro! Minha receita é bem básica, bem caseira. É a que minha fez em todos os meus aniversários, até eu fazer 18 anos!

brigadeiroIngredientes:
1 lata de leite condensado
1 colher de sopa de margarina
5 colheres de sopa de achocolatado (lembrando que não precisa brincar de empilhar o máximo que conseguir na colher, mas também não precisa ser tão rasa)

Modo de preparo:
Ponha todos os ingredientes em uma panela de preferência grande e de fundo grosso. Em São Paulo eu tenho uma panela que é só pra fazer brigadeiro! Mas aqui no Rio usei uma normal mesmo… Só cuidado com panelas muito finas porque pode queimar.
Coloque em fogo baixo (dessa vez não é só medo meu, tem que ser mesmo) e vá mexendo com movimentos circulares, sem deixar grudar no fundo.
Um pouco depois que começar a borbulhar vai engrossar e começar a soltar com facilidade do fundo. Se a panela for grande e você inclinar um pouco parece que ele “anda” sozinho. Pronto, pode desligar e passar pra um prato pra deixar esfriar. Se você conseguir.

Para fazer a panqueca de brigadeiro eu juntei os dois. Coloquei umas duas colheradas beeem generosas no meio da massa e dobrei em 4. Você pode enrolar igual a salgada, se preferir, e acrescentar outras coisas, como granulado, morango picado… Eu me empolguei tanto só com a panqueca de brigadeiro que nem lembrei do granulado que pensei em por!

Bem fácil né? Tenta aí e depois me manda pra eu ver como ficou! Pode ser no e-mail contato@oquetemdesobremesa.com.br ou com a #oquetemdesobremesa no Instagram.

Amor Próprio: porque quem ama, cuida!

Amor Próprio: porque quem ama, cuida!

Amor próprioQuem ama cuida. Você com certeza já escutou essa frase né? Já parou pra pensar que então quem se ama, também se cuida? Agora, como ter amor próprio? Um bom começo é parar de brigar com o nosso corpo, o aceitar como é. A consequência é que quanto maior esse amor próprio, mais a gente quer se cuidar, e quanto mais a gente se cuida, mais se ama. Parece simples, lindo e perfeito, mas quem disse que aquela primeira parte é fácil??

Muitas pessoas que se cuidam, o fazem porque querem mudar ou disfarçar o corpo constantemente, ou seja, não o aceitaram, e nunca ficarão satisfeitas com os resultados, porque sempre irão procurar (e encontrar) outros “defeitos”. Aceitar o próprio corpo não significa pensar “ok, meu corpo é assim mesmo e sempre vai ser, vou me conformar com isso e desistir”. Significa que a gente pode e deve sim se esforçar para mudar o que não gosta nele, mas que não vai deixar de viver a nossa vida enquanto não conseguir, porque já o ama assim, do jeito que é hoje. Uma das partes mais difíceis talvez seja conseguir identificar se é algo que realmente nós não gostamos, ou que achamos que não se enquadra nos padrões de beleza impostos.

Mesmo enquanto estivermos fazendo os “ajustes” que quisermos no nosso corpo, ainda podemos valorizar outras coisas, pra entrar naquele círculo vicioso legal lá do começo. Não é porque você não gosta do seu nariz, por exemplo, que não pode usar um batom ou um brinco bonitos. Ou não é porque você não gosta das suas pernas que não vai ter um cabelo limpinho e bem hidratado. Pode parecer óbvio, mas as vezes quando a gente implica com alguma coisa acaba esquecendo o resto. Se a gente valorizar e gostar de vários pontos do nosso corpo, aqueles que não gosta tanto vão perdendo a importância.

É importante se cuidar para se sentir bem e manter a auto estima bem alta sempre. Querer melhorar o que não nos agrada é um direito, acho até que um dever, mas sem neura, sem encanação, sem deixar que a sua felicidade dependa disso em momento algum!

Entrevista Fabriga Brigadeirão Gourmet

A nossa entrevista de hoje é com a Tati da Fabriga Brigadeirão Gourmet, que faz brigadeirões maravilhosos! Como ela diz é um doce bem esquecido mesmo, eu pelo menos me lembro de uma tia fazer no microondas quando eu era criança, mas fiquei anos sem comer.

1 – Por que escolheu trabalhar com doces? Conte um pouco da sua história, por favor.
Depois de 15 anos atuando no mercado financeiro, nasceu a Fabriga. Abriu o espaço para reacender o gosto pela culinária e uma visão de trazer para o ramo de alimentação, um conceito novo, de um doce que estava esquecido injustamente, porque é muito gostoso.

2 – Você come tudo que faz? Com que frequência?
O desenvolvimento dos sabores e receitas são testadas por mim. São várias opiniões e degustações antes de ganharem as ruas. Depois de prontos, eu como nas ocasiões de sociais. Porque comer brigadeirão entre amigos e família é sempre mais gostoso.

3 – Qual foi a melhor sobremesa que você já comeu? E a pior?
A melhor sobremesa que já comi, é a que traz boas memórias. Além de um brigadeirão (rsrs) maravilhoso, comi um uma maxi carolina recheada com sorvete de nata e calda de chocolate em Portugal, num restaurante de uma cidadezinha chamada Óbidos.
A pior, difícil, mas não sou muito fã erva doce. Uma vez comi um mini tartelette de chocolate, pelo qual estava salivando, mas infelizmente na massa da havia um licor de erva doce, que azedou o clima.

4 – O que sempre tem de sobremesa pra você?
Sorvete. Amo.

Além de ser muito gostoso, me chamou muito a atenção a criatividade e a atenção aos detalhes. A embalagem te diz de qual lado é pra abrir, porque daquele lado tem uma abinha pra puxar a bandejinha em que está o brigadeirão pra fora da caixa, sem sujar o dedo nem estragar o doce! E quando a gente pensa em brigadeirão pensa no sabor chocolate né? Pois ela tem 8 sabores!!

Ficou curioso? Entra no site, no Facebook ou no Instagram pra conhecer melhor o trabalho dela.

Bolo de Cenoura: receita infalível

Bolo de Cenoura: receita infalível

Eu adoro bolo, e bolo de cenoura é um dos meus preferidos, principalmente com cobertura de chocolate…

Minhas habilidades na cozinha são bem restritas, mas cresci vendo minha mãe fazer bolo todo domingo a tarde e alguma coisa acho que aprendi. Depois que descobri os bolos de saquinho raramente fiz os tradicionais, porque acho que ficam bem gostosos. O de cenoura é um dos  únicos que não fica tão bom…

bolo de cenoura

Bolo de Cenoura com Cobertura de Brigadeiro

Sempre tive receio de fazer bolo de cenoura porque conheço várias pessoas experientes e muito mais habilidosas do que eu na cozinha que não conseguem fazer, o bolo fica abatumado, parecendo um pudinzinho sabe? Mas uma vez resolvi testar uma receita e deu super certo, ficou fofinho todas as vezes que fiz, por isso vou compartilhar com vocês! Essa foto é de uma das primeiras vezes que fiz e postei no @oquetemdesobremesa.

Ingredientes:

3 cenouras médias raladas (mais ou menos 250 gramas)
1/2 xícara de chá de óleo
4 ovos
2 xícaras de chá de açúcar
2 1/2 xícaras de chá de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de fazer:

Pré aqueça o forno a 180 graus.

Bata no liquidificador as cenouras, o óleo e os ovos primeiro.

Acrescente o açúcar e bata mais um pouco, até ficar homogêneo.

Geralmente com a farinha a massa fica grossa, pesada pro liquidificador, então é melhor misturar a farinha com um fouet em outra tigela, ou na batedeira.

Por último, sempre, misture o fermento.

Ponha numa assadeira untada (eu uso de teflon e não unto) e asse por cerca de 40 minutos. Quando faço na forma redonda sem furo no meio leva mais tempo (meu forno também é meio lentinho…) então depois dos 40 minutos abra o forno e espete um palito de madeira, se sair seco está pronto, se sair com massa deixe mais um pouco.

Bolo de cenoura assim já é gostoso, mas a cobertura de chocolate é indispensável né!? Eu costumo cobrir com brigadeiro molinho, colocando um pouco de leite ou de creme de leite, mas acho uma delícia com qualquer cobertura de chocolate! E você, como prefere?

 

Knolling: Organizando os Ingredientes

Knolling: Organizando os Ingredientes

Você já ouviu falar de Knolling? Não, não é um cereal novo, eu explico… Ou melhor a Wikipédia explica: Knoll era uma loja de móveis que tinha como característica peças com ângulos retos. Em 1987 o responsável por organizar as ferramentas na fábrica criou o hábito de colocá-las todas em cima de uma mesa para que pudessem ser vistas, e arrumadas em ângulos retos também, seguindo o padrão da loja. Knolling é então esse jeito de organizar coisas, em ângulos retos, e de maneira prática.

E o que isso tem a ver com comida? De fato não tinha nada, até que em 2010 a Ikea, uma loja sueca de móveis e coisas para casa (algo como a nossa Tok&Stok, mas maior e com mais variedade de itens), fez um livro de receitas organizando os ingredientes usando ométodo knolling, o Hembakat Ar Bast (algo como “caseiro é melhor”). O resultado são essas fotos lindas!knolling livro de receitas

knolling receita

knolling ingredientes

knolling hembakat

ikea knolling

Eu achei tudo isso passeando pela internet outro dia. Já não lembro exatamente qual foi o caminho que fiz, só salvei os sites que me interessaram. As fotos são do site da Forsman & Bodenfors, agência que ajudou a produzir o livro. Eles explicam no site que a ideia era fazer um livro de receitas clássicas suecas (para mostrar utensílios que eles vendem sendo usados e vender mais, sempre), mas não queriam que as fotos ficassem iguais as de todos os outros. Acho que conseguiram ser bem criativos!

Fiquei louca pelo livro, que tem pra vender no site dos Estados Unidos e no site de Portugal também, mas acho que os dois estão em inglês… Eu até falo inglês, ok, mas pra receita eu gosto do livro traduzido e principalmente adaptado, porque tenho medo de errar a conversão de medidas e aí sair tudo errado. A Ikea até cogitou abrir lojas aqui no Brasil recentemente, mas parece que isso não vai acontecer tão cedo…

Não sei se arrumar os ingredientes assim para cozinhar em casa seria realmente prático, aliás tenho quase certeza que não! Mas gostei muito das fotos, da ideia de um livro de receitas diferente e por ter conhecido o termo knolling e aprendido um pouquinho!